Gostou do artigo? Compartilhe!

COMPLICAÇÕES EM CIRURGIAS VIDEOLAPAROSCÓPICAS DE RIM EM FERRADURA

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Paulo Fernando Caldas¹
¹Médico Urologista. Mestre em Clínica Cirúrgica pela Universidade Federal do Paraná – UFPR.
Responsável pelo Departamento de Uro-Oncologia e Laparoscopia Urológica do Hospital
Regional do Oeste, Chapecó – SC. Professor da Universidade Regional Comunitária –
UNOCHAPECO.
Alcimara Benedett²
²Enfermeira Obstetra pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINUS. Mestranda em
Engenharia Biomédica pela Universidade do Vale do Paraíba Campus São José dos Campos – SP.
Professora da Universidade Regional Comunitária – UNOCHAPECO.
Júlio Zawadski³
³Médico Uologista. Chefe do Serviço de Urologia do Hospital Regional do Oeste, Chapecó – SC.
INTRODUÇÃO
Rim em ferradura é a anomalia de fusão mais comum, ocorrendo em
aproximadamente 1 em 400 nascimentos. Os rins direito e esquerdo são unidos
medialmente pelo parênquima ou por um istmo fibroso.1
Embriologicamente, o blastema metanéfrico anormal migra em direção a linha
média, permitindo o contato e a fusão dos pólos inferiores. A ascenção dos rins é impedida
pela artéria mesentérica inferior ao nível de L3 ou L4, não ocorrendo também sua rotação
normal. Desta forma, a pelve renal fica localizada ventralmente e os ureteres
freqüentemente cruzam sobre o istmo.
O suplemento vascular dos rins em ferradura pode ser complexo, sendo que, na
maioria dos casos, recebe múltiplas artérias e veias(Figura 1). Habitualmente, o istmo
recebe vascularização própria, podendo receber ramos arteriais das artérias mesentérica
inferior, ilíaca ou sacrais.2,3
Embora a maioria dos rins em ferradura não cause sintomas, algumas patologias
encontradas podem necessitar cirurgia, dentre as quais se destacam: obstrução da junção
ureteropélvica, nefrolitíase e tumores renais.4
A complexidade da anatomia do rim em ferradura torna a realização de cirurgias
laparoscópicas um desafio, devendo o cirurgião estar preparado para possíveis
complicações trans e pós-operatórias.
Como não existem extensas séries de casos publicados, será dada atenção aos
procedimentos mais realizados por via laparoscópica para tratamento de patologias em rins
em ferradura, dentre os quais se destacam: pielopalstia, nefrectomias, pielolitotomia,
calicovesicostomia e ureterocalicostomia, onde serão abordados os principais aspectos
técnicos, bem como estratégias para prevenir complicações.
Figura 1. Aortografia demonstrando múltiplas artérias para o rim em ferradura (setas
brancas e ponta de setas). A seta preta indica a artéria mesentérica inferior, 2007.
PIELOPLASTIA
A obstrução da junção ureteropélvica(JUP) ocorre em 15 a 33% dos rins em
ferradura. Vários fatores podem contribuir para a ocorrência desta patologia, entre eles:
inserção alta do ureter, vascularização anômala do rim, compressão do istmo devido ao
trajeto ventral do ureter.5,6
Schuessler et al descreveram a primeira pieloplastia laparoscópica em 1993.7 A taxa
de sucesso da pieloplastia laparoscópica varia de 94 a 98%, comparáveis com os resultados
da cirurgia aberta, com as vantagens de um procedimento minimamente invasivo.8,9
As taxas de sucesso atingidas com a cirurgia aberta para tratamento da obstrução da
JUP em rim em ferradura variam de 55 a 80%. O procedimento padrão adotado é a
pieloplastia desmembrada, istmectomia e nefropexia.10,11
Autores têm descrito o sucesso na pieloplastia laparoscópica em rim em
ferradura.12,13 Bove et al descreveram uma série com 11 pacientes que apresentavam
anomalia do trato urinário superior, onde 5 pacientes apresentavam rim em ferradura, nos
quais foram realizadas pileloplastias laparoscópicas. O tempo cirúrgico médio foi de 3,2
horas, sangramento médio de 122 ml e seguimento radiológico médio de 8 meses
evidenciando melhora da função renal. Não foram descritas transfusões ou complicações
transoperatórias.12
Lane et al descreveram 1 caso de pieloplastia direita e nefrectomia esquerda em rim
em ferradura. O tempo cirúrgico foi de 5,7 horas, sangramento foi menor que 350 ml e não
foram observadas complicações.14
Chammas et al publicaram sua experiência com 3 pacientes submetidos a
pieloplastia assistida por robô. O tempo cirúrgico médio foi de 148,3 minutos e
sangramento estimado foi menor que 100 ml. Os resultados funcionais, determinados por
urografia excretora, foram bons após um seguimento médio de 21 meses. Um paciente
necessitou de litotripsia extracorpórea e outro apresentou um episódio de pielonefrite.
Outras complicações significantes não foram descritas15.

Técnica
Devido às anormalidades no suprimento sanguíneo encontradas no rim em
ferradura, angiografia ou angiotomografia deve ser obtida no pré-operatório. O
conhecimento prévio do suprimento vascular é importante antes da mobilização do rim e do
istmo, devendo evitar lesão ou ligadura de vasos que cruzam o ureter proximal.
Em relação ao acesso, pode-se optar pela via transperitoneal e extraperitoneal.
Embora alguns centros têm descrito sucesso pela via extraperitoneal para cirurgia ablativa,
a via transperitoneal proporciona maior espaço de trabalho para reconstrução do sistema
coletor. Hsu e Presti realizaram um pieloplastia extraperitoneal com tempo aproximado de
6,7 horas.13,16,17
Na técnica transperitonial antes do acesso abdominal, pode-se introduzir um fio guia
por cistoscopia para que este fique posicionado no sistema coletor, o que facilitará a
introdução do duplo J posteriormente.18
A posição adotada pode ser decúbito lateral em 90º ou modificado em 45º. A
colocação dos portais pode ser em linha ou em triângulo. Pode-se optar por 3 ou 4 portais.
O cólon é rebatido até expor istmo. Se o istmo for proeminente, deve ser seccionado. Para
isto, é necessária a liberação do istmo da aorta, o que pode exigir a liberação prévia do rim.
O istmo pode ser dividido usando-se eletrocautério, bisturi ultrassônico, Ligasure,
grampeador endoscópico ou Plasmakinetic Superpulse Generator(Gyrus)).2,19-22 A
hemostasia pode ser obtida por argônio, cola de fibrina, trombina, fita de celulose ou sutura.
O rim acometido deve ser mobilizado lateralmente. Nefropexia não é necessária.
A pieloplastia desmembrada pode ser aplicada para quase a totalidade dos casos.
Heineke-Mickulicz é utilizada para segmentos curtos de estenose e Y-V plastia para
inserção alta. O ureter e a pelve renal devem ser transpostos sobre qualquer vaso presente.
Após o término da sutura posterior, um cateter duplo J deve ser introduzido sobre o fio
guia. Um dreno deve ser posicionado próximo da anastomose. O dreno deve ser retirado no
pós-operatório somente após remoção da sonda Foley da bexiga, observando-se um baixo
volume de drenagem. Quando há aumento do débito urinário após a retirada da sonda, ela
deve ser colocada novamente para manter a bexiga descomprimida. O cateter duplo J deve
ser retirado após 6 semanas.
O quadro abaixo sintetiza as principais medidas adotadas para prevenção de
complicações durante ou após a pieloplastia para rim em ferradura:
Figura 2. Passos importantes e complicações prevenidas na realização de pieloplastia em
rim em ferradura, 2008.
O que fazer Por quê? Complicação prevenida
Arteriografia/angiotomografia Prevenir acidentes vasculares Sangramento, desvascularização,
pré-operatória fístula.
Passagem prévia do fio guia Facilitar introdução do duplo J Dificuldade na passagem
anterógrada do fio guia.
Liberação do cólon (ampla) Visualização do istmo e aorta Sangramento, lesão de alça
Secção do istmo (proeminente) Eliminar fator obstrutivo Re-obstrução do sistema coletor
Transposição do ureter Eliminar fator obstrutivo Re-obstrução do sistema coletor
Colocação do cateter duplo J Diminuir débito urinário na
anastomose, manter anastomose pérvia
Fístula urinária, estenose da
anastomose
Retirada do dreno antes da sonda
vesical
Após a retirada da sonda pode haver
aumento do débito urinário pelo dreno
Peritonite(via transperitoneal),
abcesso.
NEFRECTOMIAS
Quando se realiza cirurgia ablativa em rim em ferradura não é obrigatório o estudo
pré-operatório da vascularização renal, principalmente em rins não-funcionantes, onde o
suprimento sangüíneo é mínimo devido à atrofia do parênquima.23-25 O estudo vascular é
importante quando se planeja uma nefrectomia parcial.22
Nefrectomia laparoscópica para rim em ferradura pode ser realizada por via
transperitoneal ou retroperitoneal. Quando se opta pela retroperitoneoscopia deve-se ter
cuidado para não abrir o peritônio inadvertidamente. Molina e Gill sugerem, em caso de
tumor, quando for optado pela nefrectomia parcial, que seja usada a via transperitoneal para
tumores anteriores e retroperitoneal para tumores posteriores26.
A heminefrectomia devido à unidade renal não-funcionante é a indicação mais
freqüente para nefrectomia em rim em ferradura.13,20,23,25,27-30 Há poucos relatos de
heminefrectomia para tumores renais, sendo a heminefrectomia radical aplicada na maioria
dos casos, algumas vezes podendo ser utilizado hand-assisted.16,31,32 Molina e Gill relatam
um caso de nefrectomia parcial por retroperitonioscopia devido a um cisto complexo de 2
cm. no rim direito. O tempo de isquemia fria foi de 31 minutos e a hemostasia foi obtida
com Surgicel e sutura com Vicryl 0. Sangramento foi menor que 100 ml e o tempo
cirúrgico foi de 3,3 horas26. Tsivian et al relatam um caso de nefrectomia parcial
transperitoneal, também devido a cisto complexo de 2 cm . A hemostasia foi obtida com
Surgicel, sutura com Vicryl 1 e clipes de Hem-O-Lock para fixar os pontos33. Murakami et
al relataram um caso de nefroureterectomia para tumor de ureter. O tempo cirúrgico foi de
300 minutos e o sangramento estimado em 400 ml.34
Técnica
Para abordagem transperitoneal a disposição dos portais é a mesma da pieloplastia.
O cólon é liberado e o rim exposto. O ureter deve ser identificado, clipado e seccionado. O
rim é mobilizado e o istmo liberado da aorta. Quando o sistema coletor apresenta-se
dilatado devido à obstrução, ele pode ser descomprimido por uma punção percutânea com
uma agulha e aspiração do seu conteúdo. Após, o istmo é seccionado, podendo-se usar
eletrocautério, bisturi ultrassônico, Ligasure, grampeador endoscópico ou Plasmakinetic
Superpulse Generator(Gyrus)como fonte de energia.2,19-22 Hemostasia pode ser obtida por
argônio, cola de fibrina, trombina, fita de celulose e sutura. Pode-se dividir o istmo através
de uma abordagem extracorpórea.24,32 No caso de nefrectomia parcial, um cateter ureteral
deve ser introduzido antes do procedimento para que durante a cirurgia possa se verificar a
integridade da via excretora através da injeção de azul de metileno. Se houver
extravazamento, o sistema coletor deve ser suturado com Vicryl 2-0.
Após sua liberação, o rim deve ser colocado em um endosaco para ser morcelado.
Quando a cirurgia é realizada para tratamento de neoplasia, é aconselhado que o espécime
seja retirado intacto por uma incisão de Pfannestiel ou na linha média.
O quadro abaixo sintetiza as principais medidas adotadas para prevenção de
complicações durante ou após nefrectomias para rim em ferradura:
Figura 3. Passos importantes e complicações prevenidas na realização de nefrectomias em
rim em ferradura, 2008.
O que fazer Por quê? Complicação prevenida
Arteriografia/angiotomografia Planejamento cirúrgico em tumores,
principalmente para nefrectomia
parcial
Sangramento, isquemia
Passagem de cateter ureteral em
nefrectomia parcial
Verificação da integridade e
permeabilidade do sistema coletor
Fístula urinária, peritonite, abscesso
Liberação do cólon Visualização do istmo e aorta Sangramento, lesão de alça
Secção e hemostasia do istmo Obrigatório em heminefrectomia Sangramento, lesão vascular
CIRURGIAS POUCO FREQÜENTES
Valdívia-Uria et al publicaram sua experiência com 2 casos de abordagem
laparoscópica para cálculos complexos em rim em ferradura. Em um caso houve uma
fistula urinária transitória que cessou sem seqüelas após 5 dias. Após 6 meses de
seguimento não foi evidenciado litíase 35.
Hsu et al publicaram um caso de calicovesicostomia em rim em ferradura devido a
obstrução da JUP associada à duplicidade ureteral ipsilateral. Parâmetros intraoperatórios e
pós-operatórios foram satisfatórios36.
A ureterocalicostomia laparoscópica pode ser uma opção para tratamento primário
da obstrução da JUP em rim em ferradura. Neste caso, alguns aspectos técnicos são
importantes: excisão do parênquima renal do pólo inferior para exposição do o cálice
inferior, secção e espatulação do ureter proximal, anastomose ureterocalicial realizada
sobre um stent. A sutura deve incluir toda espessura do ureter e do cálice, evitando a
inclusão do córtex renal. Quando possível, a cápsula renal deve ser aproximada ao nível de
anastomose, tendo cuidado para não comprimir a anastomose. A anastomose deve ser
protegida, quando possível, com gordura perinéfrica ou omento.37-40
CONCLUSÃO
A abordagem laparoscópica para rim em ferradura pode representar um desafio para
o cirurgião devido à anatomia complexa deste órgão. As poucas séries publicadas
demonstram uma baixa incidência de complicações, porém, é flagrante um tempo cirúrgico
longo. Para permitir um baixo índice de complicações, os aspectos anatômicos devem ser
consideradosno pré-operatório, principalmente em cirurgias que exijam a manutenção da
unidade renal comprometida. Desta forma, o cirurgião precisa ter em mente a necessidade
de um planejamento cirúrgico capaz de prevenir possíveis complicações, bem como, dispor
de fundamentos técnicos capazes de oferecer bons resultados em longo prazo.
Referências bilbiográfica
1- Walsh PC, Retik AB, Vaughan ED, Wein AJ, eds. Campbell´s Urology. 8th ed.
Philadelphia: W.B. Saunders, 2002: 1725-1728.
2- Boatman DL, Cornell SH, Kolln CP: The arterial supply of horseshoe Kidneys. Am J
Roentgenol Radium Ther Nucl Med 1971; 113:447.
3- Kolln CP, Boatman DL, Schimidt JD, Flocks RH: Horseshoe Kidney: a review of 105
patients. J Urol 1972; 107:203.
4- Yohannes P, Smith AD: The endourological management of complications associated
with horseschoes Kidney. J urol 2002; 168:5.
5- Keeley FX Jr., Muecke EC, Kulp-Hugues D, Gomella LG: Laparoscopic division of
crossing vessels at the ureteropelvic junction. J Endourol 1996; 10:163.
6- Jabbour ME, Goldfischer ER, Stravadimos KG, Klima WJ, Smith AD: Endopyelotomy
for horseshoe and ectopic Kidneys. J Urol 1998; 160-694.
7- Schuessler WM, Grune MT, Tecuanhuey LV, Preminger GM: Laparoscopic
dimembered pyeloplasty. J Urol 1993; 150:1795.
8- Soulie M, Salomon L, Patard JJ, et al: Extraperitoneal laparoscopic pyeloplasty: a
multicenter study of 55 procedures. J Urol 2001; 166:48.
9- Ben Slama MR, Salomon L, Hoznek A, et al: Extraperitoneal laparoscopic repair of
ureteropelvic juntion obstruction: initial experience in 15 cases. Urology 2000; 56:45.
10- Pitts WR Jr., Muecke EC: Horseshoe Kidney: a 40-year experience. J Urol 1975;
113:743.
11- Das S, Amar AD: Ureteropelvic junction obstruction with associated renal anomalies. J
Urol 1984; 131:872.
12- Bove P, Ong AM, Rha KH, Pinto P, Jarrett TW, Kavoussi LR: Laparoscopic
management of ureteropelvic junction obstruction in patients with upper urinary tract
anomalies. J Urol 2004; 171:77.
13- Hemal AK, Aron M, Gupta NP, Seth A, Wadhwa SN: The role of retroperitoneoscopy
in the management of renal and adrenal pathology. BJU Int 1999; 83:929.
14- Lane BR, Desai MM, Gill IS: Case report: simultaneous laparoscopic management of
bilateral ureteropelvic junction obstruction in a horseshoe kidney. J Endourol 2006;
20(1):21-3, Jan.
15- Chammas M, Feuillu B, Coissard A, Hubert J: Laparoscopic robotic-assisted
management of pelvi-ureteric junction obstruction in patients with horseshoe kidneys:
technique and 1-year follow-up. BJU Int 2006; 97(3):579-83, Mar.
16- Kitamura H, Tanaka T, Miyamoto D, Inomata H, Hatakeyama J: Retroperitoneoscopic
nephretomy of a horseshoe Kidney with renal-cell carcinoma. J Endourol 2003; 17:907.
17- Hus TH, Presti JC Jr: Anterior extraperitoneal approach to laparoscopic pyeloplasty in
horseshoe Kidney: a novel technique. Urology 2003; 62:1114.
18- Kim HL, Schulam P: Laparoscopic Surgery for the horseshoe Kidney. In: Gill IS.
Textbook of Laparoscopic Urology. USA, Informa Healf Care. 2006; pp.845-81.
19- Kawauchi A, Fujito A, Yoneda K, Soh J, Naitoh Y, Mizutani Y, et al: Laparoscopic
pyeloplasty and isthmectomy for hydronephrosis of horseshoe kidney: a pediatric case. J
Endourol 2005; 19(8):984-6, Oct.
20- Dasgupta R, Shrotri N, Rane A: Hand-assisted laparoscopic heminephrectomy for
horseshoe kidney. J Endourol 2005; 19(4):484-5, May.
21- Nadler RB, Thaxton CS, Kim SC: Hand-assisted laparoscopic pyeloplasty and
isthmectomy in a patient with a horseshoe Kidney. J Endourol 2003; 17:909.
22- Patankar S, Dobhada S, Bhansali M: Case report: laparoscopic heminephrectomy in a
horseshoe kidney using bipolar energy. J Endourol 2006; 20(9):639-41, Sep.
23- Riedl CR, Huebner WA, Schramek P, Pflueger H: Laparoscopic hemi-nefrectomy in a
horseshoe Kidney. Br J Urol 1995; 76:140.
24- Ao T, Uchida T, Egawa S, Iwamura M, Ohori M, Koshiba K: Laparoscopically assisted
heminephrectomy of a horseshoe Kidney: a case report. J Urol 1996; 155:1382.
25- Yao D, Poppas DP: A clinical series of laparoscopic nephrectomy, nephroureterectomy
and heminephroureterectomy in the pediatric population. J Urol 2000; 163:1531.
26- Molina WR, Gill IS: Laparoscopic partial nephrectomy in a horseshoe kidney. J
Endourol 2003; 17(10):905-6, Dec.
27- Yohannes P, Dinlenc C, Liatsikos E, Rotariu P, Pinto P, Smith AD: Laparoscopic
heminephrectomy for benign disease of the horseshoe kidney. JSLS 2002; 6(4):381-4, Oct-
Dec.
28- Saggar VR, Singh K, Sarangi R: Retroperitoneoscopic heminephrectomy of a
horseshoe kidney for calculus disease. Surg Laparosc Endosc Percutan Tech 2004;
14(3):172-4, Jun.
29- Tan YH, Young MD, Preminger GM, Albala DM: Hand-assisted laparoscopic
heminephrectomy in horseshoe kidney. J Endourol 2004; 18(6):562-4, Aug.
30- Modi P, Patel S, Dodia S, Goel R: Case report: retroperitoneoscopic nephrectomy in
pyonephrotic nonfunctioning moiety of horseshoe kidney. J Endourol 2006; 20(5):330-1,
May.
31- Bhayani SB, Andriole GL: Pure laparoscopic radical heminephrectomy and partial
isthmusectomy for renal cell carcinoma in a horseshoe kidney: case report and technical
considerations. Urology 2005; 66(4):880, Oct.
32- Tobias-Machado M, Massulo-Aguiar MF, Forseto PH; Juliano RV, Wroclawski ER:
Laparoscopic left radical nephrectomy and hand-assisted isthmectomy of a horseshoe
kidney with renal cell carcinoma. Urol Int 2006;77(1):94-6.
33- Tsivian A; Shtricker A; Benjamin S; Sidi AA: Laparoscopic partial nephrectomy for
tumour excision in a horseshoe kidney. Eur Urol 2007; 51(4):1132-3, Apr.
34- Murakami T, Makiyama K, Miyoshi Y, Ito Y, Iguchi K, Sano F, et al: A case of
laparoscopic heminephroureterectomy for ureter cancer in a horseshoe kidney. Nippon
Hinyokika Gakkai Zasshi 2007; 98(6):786-9 Sep.
35- Valdivia-Uria JG, Abril BG, Monzón AF, Lopes LJA, Lanchares SE: Laparoscopic
management of complex lithiasis in horseshoe Kidneys. Actas Urol Esp 1994; 18
Suppl:346-50, May.
36- Hsu TH; Chang S, Hsu S: Laparoscopic calicovesicostomy: a novel surgical procedure.
Urology 2006;68(2):413-5, Aug.
37- Strem SG, Franke JJ, Smith JS: Management of upper urinary tract obstruction.
Campbell’s Urology, 8. edição, p. 463-489, 2002.
38- Kay, R: Ureterocalicostomy. Urologic Clinics of North America, New York, v. 15, p.
129-133, 1988.
39- Mollard P, Braun P: Primary ureterocalycostomy for severe hydronephrosis in children.
Journal of Pediatric Surgery, v. 15, p. 87-91, 1980.
40- Dukcett J, Pfister RR: Ureterocalicostomy for renal salvage. J Urol, Philadelphia, v.
128, p. 98-101, 1982.

Autor

Dr André Milanezi Lorenzini

Dr André Milanezi Lorenzini

Urologista

Especialização em Urologia no(a) hospital felicio rocho.